Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MAROUSSIA

Um pouco de mim... Sobre o que sinto, ouço, escrevo e gosto !!

MAROUSSIA

Um pouco de mim... Sobre o que sinto, ouço, escrevo e gosto !!

31.07.20

Uma narrativa por dia... !!


Maroussia

21566431_Y3HBm.jpegnet retocada

"Narrativa do dia"  -  Diário de um Cão...!!

O meu nome é Farrusco, não entendo muito bem porquê, mas suponho que é por ser negrinho como o carvão.De qualquer modo, recordo que foi assim que comecei a dar-me por esse nome, pouco tempo depois de nascer e de me retirarem da minha mãe.Ambos de lágrimas nos olhos eu, porque não queria sair de junto dela, ela porque era simplesmente a minha mãe e eu o seu filho.
Com alguma relutância mas, porque os humanos é que mandam neste Mundo Cão, lá me levaram.Lembro-me que chorei várias noites, até pensar que já nada havia a fazer senão habituar-me à ideia e tentar adaptar-me à minha nova vida.
Recordo-me de começar a ouvir chamar Farrusco e pensar para comigo, devo ser eu e olhar um pouco desconfiado para quem me chamava e ao mesmo tempo me pegava ao colo.
No entanto para minha surpresa, era um rosto enrugado pelo tempo mas, bonito e simpático que me olhava com tanta ternura, que não me contive a agradecer-lhe, abanando o meu rabito, o que a fez sorrir e dizer:
"Olha João estás a ver como ele gosta de mim", ao que o tal João respondeu feliz também, eu bem te disse amor, o que ele tinha era saudades da mãe, mas em se habituando a nós, vais ver que não nos larga.
O tempo foi passando e eu crescia feliz mimado pelos donos que tanto adorava.
Uma certa noite, acordei com muita agitação naquela casa que por norma era bem pacata, levantei-me e fui até onde estavam os meus donos e, sem entender muito bem o que se passava, vi que o meu dono chorava debruçado sobre o peito da minha dona que dormia.
Para chamar a atenção, ladrei e pus as minhas patas dianteiras no joelho do meu dono, ele olhando com lágrimas nos olhos, disse-me apenas: meu amiguinho, morreu a nossa princesa.
Lembro de lhe lamber as lágrimas, pensando assim que ele pararia de chorar.
Neste entretanto, entraram umas pessoas desconhecidas no quarto e eu talvez por não querer "acordar" a minha dona, deitei-me muito quieto aos pés da sua cama, observando tudo muito atentamente, como querendo descobrir o que se estava a passar.
Depois tudo aconteceu muito rápido, "trataram" da minha dona, meteram-na dentro de uma grande caixa e deixaram-me sozinho a pensar para onde a levariam.

Passaram dois dias sem ver os meus donos, ate que pelo final da tarde do segundo dia, apareceu o meu dono sozinho.
Corri, saltei, abanei o rabito, até ladrei, mas daqueles olhos tristes só caíam lágrimas, impotente deitei-me a seus pés e ali ficámos os dois não sei por quanto tempo. Naquela casa já só se escutava o silêncio, não me faltava comida nem o carinho do meu dono, mas a tristeza dele era tão grande que me contagiava.
A dada altura, sou surpreendido por alguém que entrou lá em casa e passou a tarde a falar com o meu dono. De novo o meu dono voltou a chorar e perguntou a quem com ele falava, e o Farrusco?
Arrebitei as orelhas a conversa era sobre mim, e ouvi a resposta seca e a soar a falsa, "não se preocupe Ti João, que eu trato do Farrusco, mas agora temos de ir, porque esperam por si na Casa de Repouso".
O meu dono veio ao pé de mim e disse-me com lágrimas nos olhos, quando eu já chorava também (sim porque os animais também sentem), meu amigo, não te posso levar comigo, mas vais ficar bem, havemos de voltar a ver-nos, e coçando-me a cabeça, saiu cabisbaixo, sem olhar para trás.
Senti a porta fechar e ali fiquei à espera do que estaria para vir.
Passaram 5 dias, até que a tal pessoa que levou o meu dono, abriu a porta deu-me um pontapé no rabo e gritou:
- Vá palerma faz-te à vida - .
Nesse momento entendi tudo, entendi que o ser humano é cruel e desumano.

Hoje, já velho e cansado, ando pelas ruas, escorraçado por uns e outros, acarinhado pelos mais piedosos, recorrendo aos caixotes mas, sempre a recordar com saudade os meus adorados donos que tanto me deram sem pedir nada em troca.
Sofro muito mas, penso naqueles que nunca tiveram a felicidade de conhecer ninguém bondoso e humano como eu tive.
Lamento que o ser humano, não nos dê valor, porque nós somos leais, e muitas vezes damos a vida para salvar os humanos, ajudamos em buscas, em incêndios, em catástrofes, e tudo fazemos de boa vontade, por respeito.
Em troca só pedíamos que fossemos reciprocamente respeitados, porque os animais também têm sentimentos.

Este é o meu diário.

Estou a sentir-me muito cansado e entorpecido, pelo que vivi e já vi, está a chegar a minha hora e, o meu último pensamento, vai para o dia em que a minha dona me chamou Farrusco e feliz disse, que eu gostava dela… obrigado !!


®M.Cabral (autoria)
_ sob reserva_SPA

31.07.20

Textos, Contos, Histórias e tantos mais denominadores comuns existentes, neste meu humilde - conteúdo - literário, prefiro chamar-lhes narrativas, talvez por serem "reais"... !!


Maroussia

livros-sobre-marketing-digital-e-laptop.jpeg

Numa dinâmica mais pessoal, se assim lhe posso chamar,  na minha transcrição de textos,  vou denominá-la como:  ""Uma narrativa por dia"". Na sua grande maioria, salvo uma ou duas excepções, são "protagonizadas" por mim, logo são reais, e das quais sou autora (com os devidos direitos legais) !!

autoria de:  M.Cabral_pt®

29.07.20

Ultima "folha" do que deveria ser um Diário mas, por falta de conteúdo e assiduidade, simplesmente... falhou !!


Maroussia

21631526_1VRZs mulher curvada sentada.jpeg

                              Texto de um Diário (falhado)

Hoje não "vivi"... sobrevivi !!

Hoje limitei-me a sobreviver a mais um dia que passou. Por norma somos nós a passar pelos dias e a fazê-los acontecer à nossa maneira, à vivência de se estar na vida.
No entanto, ultimamente, comigo tal não acontece, são os dias que passam por mim, sem sequer se dignarem olhar-me nos olhos. Não consigo sentir "nada". Fome, frio, amor, nem sequer dor ! Tentei a saudade, de tudo o que não sinto mas, até isso foi em vão.
Concluí então, que podemos sentirmo-nos "sem vida", mesmo não tendo entrado na morte. A sensação que tinha era... como se o Mundo fosse um espaço minúsculo onde apenas eu habitava. A minha mente estava "fechada".
A dada altura desesperei, por momentos apoderou-se de mim a ideia de que o cérebro não estava a captar os sinais vitais. Senti medo, coisa que não é comum em mim. Medo deste abandono de identidade. Afinal era eu que me estava a recusar!

Razões? Imensas, mas serão as minhas, ninguém as entenderia. Na verdade, se existe a idade da razão, penso que cheguei à mesma.
Quem sou? O que quero? O que tenho? Será que a pergunta base mais consentânea, seja antes... o que mereço?
Perguntas sem respostas e eu só queria razoabilidade, para seguir em frente e não continuar a ter dias iguais a este, dias..."sem viver" !!
Obrigada por me "escutares". Não tentes entender-me meu "amigo", porque nem eu me entendo, só sei que dói...!!

Amanhã é outro dia e eu voltarei aqui ou quiçá não mais, neste contexto de... "Diário" !!!

(Novembro de 2019)
®M.Cabral

28.07.20

Porque o " amanhã " é sempre incógnito e, num segundo tudo pode mudar... Sejam felizes hoje... !!!


Maroussia

 

21662288_DwVMZ.jpgby net (retocada)

                        Texto de um Diário (falhado)

"" Olá meu caro "amigo"

Aqui estou eu, mais uma vez a aborrecer-te com as minhas "divagações". Prefiro este nome mais soft, aos denominados problemas, pela carga negativa da palavra em si, mesmo que não deixem de o ser, na sua essência.
Por norma, estamos sempre expectantes sobre o que nos espera ou não, quando começa o ano mas, por uma e outra razão que me vão surgindo pontualmente, para este ano, sinto inexplicavelmente, receio.
Não o receio de me faltarem bens essenciais, nem sequer de que a nivel geral tudo possa piorar, porque com isso vamos contando a cada dia que passa, afinal a realidade está na nossa frente, em nosso redor e até nos entra pela casa adentro, através dos média, o que fica longe de nós mas, que de uma forma ou outra, levaremos por "tabela".
Este "receio" de que escrevo, tem a ver comigo. Algo que se está a "alterar", não é visivel, talvez nem palpável, mas "sinto-o" e tenho muito medo.
Eu que nunca temi nada, de um momento para o outro, tenho de admitir um medo exacerbado, não sei de quê, de onde, porque mas... instalou-se e veio para ficar.
Um receio vivido em silêncio, porque se sempre estou bem, ninguém vai acreditar neste "receio", que iria de certeza parecer infundado. Por isso "calo-o" !!
Desabafo contigo e vou "esperar" para saber se será mesmo um receio "infundado". Deus permita que sim !!
Obrigada meu amigo, por teres paciência para me "ouvires"... nada podes fazer, mas neste momento é tudo o que preciso, e torna-se difícil, encontrar alguém que queira perder tempo a "ouvir-nos".
Nem me tinha apercebido disso, talvez porque sempre me predispuz mais a escutar, toda a gente... e ao mesmo tempo, porque "imponho" a mim mesma, calar-me !!

Volto amanhã ? quiçá ... !!? ""

Nota de autora: Curiosamente este texto foi escrito no começo deste ano !!

®M.Cabral

27.07.20

Quando "algo" de muito mau, acontece ao meu "redor" ( Mundo ) ... faz-me "relativizar" tudo o que é Físico, e enaltecer a ALMA ... !!


Maroussia

Estados sensoriais que se sobrepoem ao materialismo, algo a que nunca fui muito apegada, bens materiais serão sempre efémeros. Já a parte espiritual, perdura e domina a minha mente. Se por um lado sou capaz de ser mais sofredora, por outro também sou mais emocional e retiro mais prazer nestes momentos e noutros que mexem com sentidos e emoções. 
Sou muito ecléctica nas coisas da Vida e como tal também na música, desde que seja de qualidade.  
As minhas escolhas musicas, incidem na minha "necessidade", do que me faz bem ouvir, no momento ... "exacto". 
Nada melhor para começar uma semana (que pese embora, possa ser ameaçadora),   energizada ao sabor desta excelente melodia suave, mas que nos eleva a patamares mais "além"... à Esperança !! 

 ®M.Cabral

26.07.20

Se tivesse de escolher uma imagem para "rotular" visualmente, o Covid-19, seria esta... aliás é esta, porque não a consigo dissociar, na minha mente, desse monstro invisível... que destrói assim com partículas espalhadas... !!


Maroussia

imagem covid.jpgimagem by net

Esta imagem impressionou-me de tal modo que a analisei de dois modos diferentes, embora na mesma temática, mais propriamente o Covid-19. 

Uma mão "poderosa", com intenção destruidora e um querer do Poder Global,  com um pequeno "pincel", dando retoques com tanta malvadez e terror, que aniquila a beleza de uma imagem do que foi o nosso Planeta e quiçá Universo.

Todavia... 

Por outro lado... uma mão, que poderá pertencer a Alguém Divino com imensa "bondade" e compaixão, que com um pequeno "pincel", dá pequenos (porque não podem ser grandes) retoques, a tentar ensinar-nos, como podemos "reconstruir" o Planeta... no esforço, na união, na solidariedade, no respeito pelo próximo e pelo Ambiente, mas sobretudo pela enorme responsabilidade que TODOS NÓS, temos para com a Vida, seja ela Humana, animal, ou vegetal...!!

Seja pelo que seja, esta imagem "marcou-me"... e pode nem ter nada, a ver com coisa alguma, mas para mim... é isto que eu vislumbro, numa analogia muito pessoal, que faço com esse maldito virús.  

®M.Cabral

25.07.20

Desabando... "sobre" ti ou seja, usando e abusando !!


Maroussia

21630697_pzuFG.jpeg

                        Texto de um Diário (falhado)

"" Sentiste saudades minhas ? Quero acreditar que sim, que pelo menos tu as tenha sentido. Eu tive tuas, e por tal aqui me tens, a "falar" contigo. Acredita que nem sei por onde começar. Ao fim e ao cabo, nada mudou, nesta ausência. Os dias têm as mesmas 24 horas, as horas, 60 minutos e os minutos, 60 segundos. Nada muda, nem a minha vida... Quero dizer, talvez vá mudar um pouquinho, com uma novidade que  vou-te "dar". Tenho um projecto na "manga"... vou começar a trabalhar de novo mas, ainda não te vou dizer o que vou fazer, (sinceramente, estou indecisa). O que sei é que quero sentir-me útil, a mim mesma. Cansa ser simplesmente útil aos outros. É preciso muito mais para nos sentirmos "vivos" e eu preciso de "renascer", tal qual Fénix, que renasceu das cinzas.
Por vezes penso que, só venho aqui "encher-te" de disparates mas, tenho o direito a ser um pouco "disparatada", afinal ser sempre comedida e pensar duas vezes ou até três, antes de dizer algo, em certos momentos doi, porque o tempo em espaço, já está desfazado.
Pobre amigo, lês cada coisa... penso que por vezes até te ris de mim mas, eu não me importo, porque sei que o teu riso é condescendente. Talvez por isso "te" escolhi para meu confidente!

Sabes, enquanto fumo um cigarro (nem é bem fumar), penso que, foi muito bom para mim, aqui há uns tempos atrás "ter conhecido" alguém que me incitou a "mudar" a minha postura na vida, inclusive, a "criar-te"… as palavras dessa pessoa, neste momento, vieram à minha mente e sinceramente, tenho de reconhecer que só os amigos de verdade se preocupam connosco !

E por hoje não te maço mais, amanhã volto... quiçá !!""

®M.Cabral

23.07.20

Oh coisa simples, para onde foste ? eu só queria voltar ao "lugar" que antes conhecia... !!


Maroussia


Está tudo aqui... na musica, na letra e até nas imagens.  As saudades levam-me há uns meses atrás em que... mesmo no escuro sabia por onde caminhar, conhecia os "caminhos", as pessoas, as coisas.
Num repente todas essas "grandes" conquistas do dia a dia, que eram relativizadas, se tornaram numa bomba poderosa. Passei a ter a noção que posso "tropeçar" nela sem querer, com todos os cuidados, mas é um  perigo "iminente". Mesmo que consiga sair mais ou menos ilesa, as "cicatrizes" vão ficar para sempre, porque com ou sem estilhaços, está e vai ser por muito tempo marcante, pelos "estragos" que fez e todos os que indirectamente, faz aumentar e agravar... !!

®M.Cabral  

23.07.20

Tudo o que escrevo, para mim é "importante", pese embora o facto, de poder ser completamente "desinteressante", para outrem, algo que entendo muito bem... posto este pequeno texto, que encontrei na "caixinha das memórias" e que vincula a Amizade...!!


Maroussia

margarida.jpg

" Margarida " 

Margarida nome de flor campestre
que brota dos campos sem cuidados
mulher de fibra criada no agreste
Alentejo, que dá rebentos tão amados

Carismática, nos seus sentimentos
de amor, carinho, ternura e de paz
vai pela vida tropeçando nos lamentos
pois alguns desgostos a vida lhe traz

Mas se hoje cai, amanha se levantará
disso não haja a mínima duvida sequer
porque jamais coragem alguém terá
para derrubar esta força de Mulher

Por isso Margarida nome de Flor
Deus... de ti, Ele sempre cuidará
porque quem vive sempre dando amor
só mais amor… Dele, receberá  !!

* nota: Texto escrito para Margarida Camacho, pelo seu aniversário em 31/12/09 (o tempo passa num átimo) 

®M.Cabral

Pág. 1/2