Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MAROUSSIA

Um pouco de mim... Sobre o que sinto, ouço, escrevo e gosto !!

MAROUSSIA

Um pouco de mim... Sobre o que sinto, ouço, escrevo e gosto !!

29.04.22

Passei por este texto e inundei-me de SAUDADES, era tão feliz e nem sabia. Hoje mãe e já avó, lamento tanto que as minhas crianças não conheçam este modo de ... Ser Criança na sua plenitude.


Maroussia

 

rolamentos.jpg

 

 

 O engenho dos carrinhos de rolamentos...

 

2c7998f46c2b3be4c1642e56c23cd5d3--children-play-.j

 




Era tão bom brincar sem medos na rua... 


images0000.jpg




Belos tempos a ver televisão entre amigas..

                                                                                                             famc3adlia-assistindo-tv-antiga.jpg
 A Geração não "volta" atrás... mas marcou a diferença !

A geração que ia a pé para a escola e voltava sem se preocupar se chovia ou fazia sol.
A geração que fazia os trabalhos de casa sem ajuda e depressa, para depois ir brincar para a rua.
A geração que brincava às escondidas quando escurecia.
A geração que tocava às campainhas dos vizinhos e fugia7 pés para não ser apanhada.
A geração que fazia bolos de terra e soflan.
A geração que colecionava cromos.

A geração que assistiu à mudança da TV a preto e branco para a TV a cores.
A geração que gravava cassetes de vídeo da MTV (na altura que ainda passava músicas) e se gravava no rádio a cantar por cima.
A geração que fazia brinquedos de papel, plástico ou madeira com as próprias mãos.
A geração que brincava ao berlinde, ao pião e ao elástico, fosse menina ou menino.
A geração que deu pulos de alegria quando trocou o leitor de cassetes pelo discman e assistiu à magia de carregar num único botão para mudar de música.
A geração que colecionava fotos e álbuns de recortes das suas experiências de criança e tinha as paredes tapadas de posters das boys e girls band preferidas.
A geração que jogava ao bate pé e à verdade e consequência numa altura em que dar um beijinho era uma vergonha desgraçada.
A geração que ia a matinés e dançava agarradinho à paixoneta.
A geração que não precisava de telefones para combinar saídas.
A geração que ajudava os amigos a conquistar a pessoa amada com o clássico: “olá, o meu amigo quer conhecer-te”
A geração que teve nervos de aço quando se tratava de pedir alguém em namoro.
A geração que fazia tudo às escondidas dos pais, porque respeitinho era bom e recomendava-se.
A geração que se está a extinguir e, infelizmente, nunca mais voltará.
Que bom ter sido criança em tempos como estes!
c) Susana Correia. (identificada como consta no final do texto)
®M. Cabral - Nota pessoal: eu sou desta geração em que o "suficiente" bastava para ser feliz...!!!

29.04.22

Jerusalema... Salve !!


Maroussia

 


Nestes tempos tão conturbados, onde quase de repente tudo começa a "derrapar" e até a embater fortemente,  sem controlo, por todo o Mundo...  Apeteceu-me partilhar, este agradável som musical, boa voz e inclusive imagens para nos fazer pensar... Um verdadeiro Hino à Fé. 

®M. Cabral_pt (in pensamentos) 

25.04.22

Escrever ou não escrever eis a questão ??


Maroussia

  

25-cravos.jpg

... eNe coisas para escrever sobre este "famoso" dia mas, muito sinceramente, já está muito desgastada toda esta "fantochada", que seria um "ideal" quase perfeito mas, que se tornou "mais que imperfeito" do que se esperava.

Tem sido uma Liberdade mal aproveitada, mas ao mesmo tempo muito bem "aproveitada" em exageros, que lixam o Zé Povinho e engordam os bolsos dos "poderosos", dos sacanas, dos corruptos e de quem se vende por "dez tostões. Basta ver um Parlamento vergonhoso que mais parece o "Pátio das Cantigas", só que sem humor puro, o que não impede de nos fazerem rir (riso amarelo). 

Passados tantos anos, tantos Governos, tanta "palhaçada" onde estão os nossos "dividendos", dado que seria algo feito para e pelo Povo ? Pois é... o mar bate nas "rochas" e quem se lixa é o "mexilhão", penso que, para bom entendedor meia palavra basta.

Podem "apelidar-me" como quiserem mas, muito honestamente, já não tenho pachorra, para "fantasias", porque tantos cravos, parece que deram em algo "tipo" en-cravados". Pessoalmente é como me sinto... "encravada "(em linguagem soft) de toda a maneira e feitio.

Nota pessoal: Não pensem que sou contra o 25 de Abril, antes pelo contrário, foi um exemplo para o Mundo mas... como tudo tem um "mas", hoje mais do que nunca, quase que tenho a certeza que não foi feito para o Povo mas sim, para partes "deste" Povo.

Não sou da Esquerda, nem da Direita, tento ser Democrata mas, cada vez menos,  tenho por onde escolher. Quanto maior é a "oferta", (por vezes o menos é mais) aumenta a confusão. Porque afinal onde está a verdadeira Democracia ? Eu não a encontro, quero muito pensar que seja defeito meu. 

Tenham um feliz feriado... mas não esqueçam os outros dias, porque também seria bom sentir essa felicidade muitas mais vezes, naquilo que poderíamos usufruir, tal como nos foi prometido... 


e com esta musica, um verdadeiro Hino para a Humanidade, por aqui me fico !!

®M. Cabral_pt - (in - questões) 

24.04.22

O Amor... sentimento complexo, efémero (senão seria eterno) por vezes, indefinido e quiçá nem por "todos", sentido. Realidade, cepticismo, análise, interiorismo, dúvida ?

Estarei confusa ou "perdida" no meu pensar ??


Maroussia

images.jpg

Num Labirinto dos "famosos" Amores sonhados
que hoje duvido, se alguma vez foram vividos
Porquanto quando visiono os tempos passados
só me revejo em sentimentos "irreconhecidos".

Claro que me refiro ao amor nas  "relações"
entre dois seres, em atmosfera "conjugal",
mesmo sendo "eu" uma mulher de emoções.
Porque o Amor de "sangue" esse é ...incondicional.

Penso que será culpa minha, por defeito pessoal
gosto de intensidade e necessito de demonstrações,
é essa a carência que sinto sempre "existencial",
e me faz pensar em certas e variadas "contradições".

Mas não posso dissertar sobre esse famoso Amor
falar dele, como se o conhecesse muito bem,
porque escrevendo sobre este tema, sinto tal dor
com a sensação, de não ter sido amada por "ninguém".

O Amor são atitudes e  não apenas palavras bonitas
não é oferecer flores em dias com para algo festejar.
É Cumplicidade, companheirismo, coisas mais "explícitas"
como a simples presença,  quando é preciso lá "estar "...

Mas... entre atração, "paixão" ou uma maior "amizade" 
sinto muito orgulho na família que consegui conceber.
Filhas e netos serão de todo, a minha continuidade,
logo, é deles o Amor maior, que posso conhecer...!!

®M. Cabral_pt (in - incompleta) 

03.04.22

Ela e o gato...


Maroussia

Ela e o gato.jpgimg net

Ela e o gato !!

Ela vivia sózinha, aliás, sozinha não, vivia ela e o gato.
De nome "ela" Maria, o seu fiel companheiro, Negrito.

A Maria era funcionária Pública, agora aposentada. Nunca casou, vivia para a Mãe, até a Sra. "partir".

Agora resume-se, de quando em vez, a um chá com duas amigas, vai ás compras e volta para casa.
Depois de tratar do quotidiano, porque uma pessoa "só", também tem os seus afazeres de casa, janta ela e o gato, tranquilamente , arruma a cozinha e afins e eis que chega a hora esperada de todos os dias... ver TV.

Recosta-se no sofá, onde o Negrito já a espera, o seu cházinho de camomila ou cidreira, para um soninho tranquilo e, depois de se inteirar das boas e más notícias do Mundo, passa às novelas.

É um modo de viver uma vida diferente, enquanto vai vendo as novelas, revê-se em algumas, e outras ajudam a preencher o vazio que ainda hoje sente.

O Negrito ao colo, olha para a Tv e entre um carinho e um soninho, ali fica aninhado e mimado pela sua companheira de "sentidos" afectos.

E assim sucede todos os dias... e isto nem teria interesse algum, sei que para alguns pode até parecer uma coisa normal e sem graça, quiçá uma perda de tempo.

Eu até concordava com isso se, infelizmente não houvessem milhares de "Marias", que por uma ou outra razão, vivem esta "solidão" que, por muito que se possa dizer e pensar é uma opção, não é de todo... apenas as escolhas e razões de circunstância, acabaram por ditar que assim fosse.

O Ser Humano não existe para viver só, e mesmo os que vivem acompanhados, hoje mais do que nunca nota-se que a Solidão é maior e mais assustadora, porque mesmo em família, cada um vive por si, para os telemóveis, para os jogos, para tudo que é tecnologias , e se pensarmos bem, reféns da mesma, ao ponto de esquecer tudo o que os rodeia, no real.

E com esta conversa toda já me distrai, a esta hora já a Maria se foi deitar, com o Negrito aos pés da cama.

Dorme bem Maria, que amanhã, se Deus quiser, tens mais um dia para viver... espero que feliz com o Negrito, o teu fiel companheiro !!

Real ou ficção que importa, é apenas um pequeno trecho de uma vida muito comum, nos dias de hoje, que me "apeteceu" escrever...!!
®M. Cabral_pt