Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MAROUSSIA

Um pouco de mim... Sobre o que sinto, ouço, escrevo e gosto !!

MAROUSSIA

Um pouco de mim... Sobre o que sinto, ouço, escrevo e gosto !!

14.08.20

Porque Honra, Respeito e Dignidade, são valores cada vez mais em vias de extinção, "deixo" aqui este bom exemplo... Pena é, que se vão perdendo no tempo... !


Maroussia

                                      Narrativa do Dia - "lembranças de menina"

Desde muito cedo, menina ainda, que adoro ler.  Um dos escritores que me causou esse gosto, foi sem dúvida, Júlio Diniz. Quiçá pelo seu "romantismo" e realidade do seu tempo, me levou a que o preferisse, pese embora, com o tempo, fosse alargando o interesse  e aumentando a "fasquia", própria da diversidade e do conhecimento que ía tomando de tantos outros grandes autores portugueses e mais tarde, abrangendo os internacionais. 
 
Hoje casualmente, procurando algo no youtube, deparei-me com este filme, adaptado do romance do mesmo nome. Se mais não bastasse do que voltar atrás no tempo, teria como razão, ver grandes nomes do panorama artístico da altura. Infelizmente e porque a vida tem limite, a maioria já não está entre nós, mas gostei de ver um grande Sr. Actor, que ainda nos encanta com a sua Arte e Sabedoria. Refiro-me a Ruy de Carvalho, alguém que muito respeito e admiro. 
 
Em jeito de homenagem à Honra e Brio, do que era um Homem digno (quisera eu que ainda houvessem muitos assim)...  "partilho" neste meu espaço este vídeo,  que me emocionou ao ponto de humedecer-me  os  olhos.

®M.Cabral 

05.08.20

Uma narrativa por dia... !!


Maroussia

 

imagesidosos.jpgimagem by net

Narrativa do dia - “ Sem idade para Amar !! ”

Numa tarde "ensolarada" de Setembro, depois de sair do emprego, apeteceu-me deambular um pouco pelas ruas de Lisboa, acabando por atravessar um bonito jardim, para sentir-me mais perto da Natureza e respirar um pouco, de ar menos poluído.

Distraidamente, os meus olhos pousaram num casal que, pela sua maneira de estar me comoveu.
Dos seus rostos emanava felicidade e uma doçura que se completava pelo entrelaçado das suas mãos.

Isto nada teria de admirável, se o casal em referência, não estivesse na casa dos 80 anos de idade.

Não me contive e acerquei-me timidamente, pedindo desculpa da minha intromissão mas, ao mesmo tempo incentivada pelos seus sorrisos.

Depois de os saudar, perguntei-lhes há quanto tempo eram casados, explicando-lhes de seguida o porquê da minha pergunta. Já os vinha a observar ao longe e, era para mim um deleite ver um casal assim, depois de tantos anos, ainda com aquele ar tão apaixonado.

Entreolharam-se e rindo com um ar feliz, responderam-me quase em uníssono.

Casados ??

Perante aqueles risos e aquela expressão (penso que a minha cara de embaraçada os fez ter "pena" de mim), de pronto me esclareceram, mantendo sempre aquele sorriso fácil.

Nós não somos casados. Conhecemo-nos há um ano no mesmo Lar que habitamos, e começámos a namorar faz hoje um mês.

Fiquei sem palavras e com lágrimas de comoção, apenas consegui dizer sorrindo, que gostaria de ser convidada para o casamento, algo que seria para mim muito gratificante.

Com um ar maroto me retorquiram... Com toda a certeza e mais ainda, que com muito gosto me receberiam como madrinha.

Sorridente, agradeci a honra e depositando um beijo  naqueles rostos enrugados, despedi-me carinhosamente,  voltando-me para eles um pouco mais á frente para  lhes acenar com ternura..

Segui o meu caminho de sorriso nos lábios, sem me aperceber se as pessoas olhavam ou não para mim, a pensar comigo mesma, que o Amor será sempre, o maior sentimento Universal do Ser Humano, independentemente de credos, raças e idades.

autoria de__ M.Cabral_pt®

04.08.20

Uma Narrativa entre muitas...


Maroussia

-transito.jpg

                         Narrativa do Dia - " Apenas mais um... entre tantos...!! "

Num final de um dia de trabalho, percorrendo as ruas da cidade e tentando encontrar o caminho mais fácil para fugir ao transito, na tentativa de chegar o mais rápido a casa, parei o carro num sinal vermelho e, num rompante quase abruptamente, vejo no vidro dianteiro, um pano sujo, manuseado por umas mãos ainda mais sujas.

Após duas fracas passagens pelo vidro, olho para um mão estendida, em silêncio, de alguém cambaleante. Ainda atónita, olhei para aquele rosto cadavérico, envelhecido, embora não passasse de um "menino".

Os olhos encovados e suplicantes, baços e sem brilho eram de uma profundidade tão penetrante, que quase me deixaram petrificada, e senti-me incapaz de dizer o que quer que fosse.

Balbuciou duas ou três palavras, para mim quase imperceptíveis, enquanto a sua mão continuava quase em súplica.

Um pouco mais refeita, lá consegui arranjar coragem para lhe perguntar se estava a sentir-se bem, que talvez tivesse fome, e se fosse esse o caso, eu iria dar-lhe de comer, que queria ajudá-lo, talvez até levá-lo a um hospital.
Respondeu-me tremulamente que se o quisesse realmente ajudar, lhe desse algum dinheiro, assim o ajudaria muito mais, pelo menos a morrer com menos dor.
Apercebendo-me do quadro que tinha na minha frente, tentei contra-pôr, que estava na vontade dele a decisão de voltar atrás que era muito jovem para se render assim tão facilmente.

Respondeu-me com algum tremor na voz, a morte não tem retorno e eu tenho a morte dentro de mim.

Compreendi, que nada do que eu dissesse ou fizesse iria demovê-lo. Impotente, dei-lhe o que ele queria, dinheiro. Sorriu-me, com um sorriso que mais parecia um esgar e afastou-se cabisbaixo, carregando em si o peso da desgraça e da morte anunciada.

Aquele quadro marcou-me profundamente. Fez crescer dentro de mim uma raiva e uma revolta tão grande que dura até hoje.

Quem manda, cruza os braços, não por impotência mas por cobardia. Afinal, o vil metal é o "chefe supremo" da Humanidade.

E assim se vão "engordando" bolsos ambiciosos, à custa da morte dos nossos filhos e, se fica impune.
O que me serve de consolo é que a justiça dos homens é cega mas, a Divina não perdoa e a Deus todos terão de prestar contas.

autoria de__ M.Cabral_pt®

24.04.20

Por "mares" nunca antes navegados...


Maroussia

lurar.jpgimagem by net

Por mares nunca antes "navegados
navegaste nas ondas do meu corpo
entre gemidos sufocados...

Tomaste-me nas redes do teu abraço
tal qual barco, chegado a bom porto,
os meus olhos baixavam de embaraço

O luar espelhava-se no mar revolto
as tuas mãos acariciavam-me lentamente
puxando com doçura o meu cabelo solto

E entre gemidos sufocados
por mares nunca antes "navegados"
Navegaste nas ondas do meu corpo !

®M.Cabral

29.10.19

Os anos passam, mas as memórias perpetuam-se... !!


Maroussia

Parto Normal_ saiba como é e entenda os demais ti

“  UM SER  “     

Cromossomas, coisas complicadas

nomes tais que, parecem palavrões

palavras que são pouco adaptadas

para com elas, se exprimirem sensações

 

Se com uma palavra apenas

e o tempo a decorrer

se encontra o valor

para tudo resolver

 

A palavra é o … Amor

o tempo… o que falta para nascer.

 

E eis que a espera acabou,

embora com certo temor

recebemos essa dor

como dádiva do Céu

 

Minha filha, eu aqui estou

para te receber com amor

este AMOR que é todo teu !

 

®M.Cabral

10.10.19

Quando os "grandes" obstáculos, se superam desta forma forte, todo o resto é irrelevante...!


Maroussia


Transcendência é ... ISTO !! Sinto-me tão "desarrazoada", quando me queixo, porque um sapato me aperta um dos pés, e por vezes até evito andar mais... ou porque me dói um braço e tento não esforçar a fazer algo com ele, porque tenho dois...!!

Tento ser grata todos os segundos da minha "passagem" por este espaço de Aprendizagem a que damos o nome de Vida mas... e quando perante este grandioso exemplo de TENACIDADE...concluo que não sou tanto quanto devo ser. Sou abençoada pelo que tenho e devo Gratidão Eterna ao meu Criador !! 

®M.Cabral