Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MAROUSSIA

Um pouco de mim... Sobre o que sinto, ouço, escrevo e gosto !!

MAROUSSIA

Um pouco de mim... Sobre o que sinto, ouço, escrevo e gosto !!

02.03.21

Se resulta ou não... não sei, mas procuro entender-me enquanto Ser, que existe...!!


Maroussia

99a9ace7571e4410b29ac4ea6e316a61.jpg

Nas "trevas", procuro a "existência" do meu lado obscuro,
perdida por vezes em montes e vales, com certa amargura.
Sinto que há algo que não faz sentido, e por isso procuro,
penso que seja, porque o nosso tempo, é breve e não perdura.

Quando me "foco" no lado da claridade, atenuam-se as ideias,
mas a vida tem ambos os lados, e fazem a existência confusa.
Não forçosamente negativa, afinal tudo tem as suas panaceias,
mas vejo uma luminusidade, em certos "contextos" mais difusa.

Quando enveredo pelos caminhos desta busca, quase incessante,
encontro demasiadas, "pedras", que me estorvam na passagem.
Se recuo, volto a esta  "instabilidade", que apelido de preocupante,
assim, decido continuar, em mais uma introspectiva "viagem"...!!

®Maria Cabral 

03.04.20

Escrevi este texto poético, há uns bons anos mas, penso que retrata um pouco, este momento porque estamos a passar...!!


Maroussia

87186795_2719613801437744_1371294907704016896_n.jp

“” PRISÃO SEM GRADES “”

Acorrentada a mim mesma, dou comigo a pensar, quanto é inexistente a palavra Liberdade.

Deixo o meu espírito vaguear pelo desejo ou ânsia dessa liberdade que, para nós é efémera e, de repente, sou…

Sou a ave que voa pelos espaços etéreos, até que a seu contento pouse em qualquer lugar.

Sou o peixe que nada nas profundezas do mar, intocável na sua fidelidade ás águas.

Sou a fera, nas selvas densas de árvores ou nas planícies descobertas e despovoadas.

Sou a chuva que cai do céu, ás vezes em terríveis temporais, outras, mansinha e suave, matando a sede à terra que dela se sustenta.

Sou o Sol que aquece o rico e o pobre, dá luz ao dia e alimenta quem dele necessita para sobreviver.

Sou a Lua que com o seu brilho sereno ilumina as noites escuras. A eterna companheira dos enamorados, que nela se espelham.

Sou a brisa do vento, que vai contando baixinho os seus segredos á mãe Natureza, dizendo que se acautele com as suas intempéries.

Sou... não, não sou.

A realidade regressa à minha mente de simples ser humano e...

Sou... isso sim, prisioneira, de uma prisão sem grades !!

®M.Cabral

09.10.19

Só somos o que somos, porque antes já fomos, o que não somos agora... !!..


Maroussia

velhicee.jpg

Quando somos jovens ou ainda somos considerados "prestáveis", todos nos "olham", até mesmo quando não queremos dar nas vistas...e por vezes nem queremos !

Quando somos "velhos ", temos de nos esforçar para dar nas vistas, embora com algum recato e receio mas infelizmente, "olham-nos" cada vez menos e acabamos por nos tornar, tão somente, nuns seres "visíveis" mas...invisíveis.

®M.Cabral

25.09.19

Buscando em mim os "porquês"...


Maroussia

" INTROSPECÇÃO "

De repente sinto-me a "sair" de mim e a olhar-me do lado de "fora". Olho-me demoradamente a observar os mais ínfimos pormenores, tentando ver, como se estivesse perante um espelho, quem sou.

É estranho como me parece não ser eu, a "outra" que está na minha frente.

Indescritível esta sensação, a maneira como me vejo, como me interrogo se eu sou aquela que está a olhar para mim.

Como vivi tanto tempo comigo mesma e agora não me reconheço.

Vejo um corpo que a idade vai transformando, e aos poucos desgastando. Mas esta que está deste lado agora, não sente o peso da idade, nem o desgaste, não sente dor ou desilusão no que observa, está imune a tudo isso.

Entendo então que, o que eu quis trazer para fora de mim, foi a minha alma.

Essa alma que faz todo o sentido da vida e que nos faz a redenção da mesma; nos faz sentir a raiva, mas que depois nos dá o bálsamo da quietude; nos dá a conhecer a desilusão, mas que também nos enche de ilusões; nos mostra a revolta mas que depois nos eleva a Fé; que nos mostra o amor em toda a sua plenitude, e sentir esse amor e a sua retribuição, em todos os nossos actos, nos dá o alento para... vivermos.

E assim, com toda a calma e serenidade, que esta maneira de me " olhar " trouxe, faço de novo a "fusão" do corpo e da alma, desvalorizando o que efémero e, dando muito mais significado ao que se manterá eterno...!!

autoria de__ M.Cabral_pt®
___sob licença __